domingo, 2 de agosto de 2009

Re: O que eu queria te dizer

caminhos

é que eu entendo. Que a paz voltou ao meu reino.

Quando tudo recomeçou, falei, sabendo de toda solidão que poderia me causar, que este era o melhor caminho. Era a minha crença, e ainda é, independente do custo que tenha. Aceito com paz esta distância, por você. Vejo, neste momento, uma das possibilidades de paradoxo já citadas anteriormente. Mas vejo com bons olhos, independente do que isso possa significar nas possibilidades de nos encontrarmos futuramente. Acredito na mudança, sempre acreditei. De certo modo, sempre torci por ela. Não te aprisiono em ressentimento algum. Este seria o erro, todo o resto é legítimo como caminho escolhido. E este caminho, nossa distância, sendo outro, já me alegra pelo simples fato de ver que você não está presa à identidades imutáveis que deixam o mundo sem graça. Aprecio mesmo este momento.

Quero também dizer que, por um momento, não soube lidar com algumas coisas ditas. Reação imediata, resultado de apreciação enevoada da situação. Em resposta, o que pude dizer não foi mais que precipitação insensata. O tempo trouxe a paz e o exclarecimento das idéias, hoje, desdigo o que disse.

Como do futuro não sei, deixo as portas abertas.

Sei que neste momento tenho um texto em espaço público, mas que para o público ficará cheio de buracos na rede de significados. Mesmo assim, publico esta resposta esperando que não tenha te perdido como leitora. Nesta esperança, expresso abaixo estas idéias em versos (mal feitos, mas sinceros). Ainda que nenhuma palavra alcance o mundo, eu sei, ainda sim, escrevo.

O que eu queria dizer

É que eu entendo.

Que eu concordo,

Não carrego disgosto,

Gosto amargo ou dissabor.

Carrego lembranças,

Bons momentos.

É que o futuro não sei,

Nem quero saber.

Se der eu chego lá.

Se te encontrar vou sorrir.

Se você sorrir eu me contento,

Mesmo que distante.

É que não há razão em haver

Desafeto ou mágoa.

Deixo as coisas passarem,

Não seguro, não prendo.

É que acredito.

Que as portas ficam abertas

E por elas podemos passar.

Basta um passo para as mais próximas.

Para as distantes, uma caminhada.

É que eu entendo e te apóio.


Encerro minhas palavras sobre este assunto achando que agora podemos ficar em paz.

3 comentários:

Hermida disse...

Foi, de longe, das coisas mais bonitas que já li. Estou numa situação particularmente identificável ....
Abração ;D

Bia Loivos disse...

Hermida, não é por nada não, mas este post foi "de perto, de bem perto", se é que me entende... A coisa da identificação, rs.
Foi, de perto, das coisas mais lindas que já li!

Bia Loivos disse...

Ainda hoje, agora que o tempo passou e a situação da gente é outra, ainda me emociono com esse texto, como da primeira vez que o li! Ele expressa um momento particular, que foi fundamental pra tudo que veio depois. Obrigada.