sábado, 28 de março de 2009

Muros

china wall

Aos duzentos e vinte anos antes de Cristo, aproximadamente, os chineses começaram a construir sua grande muralha. Com o passar dos séculos, esta se tormou a maior de todas as muralhas do mundo. Mongóis que deveriam ser parados não o foram. Hoje a China não teme invasões. Muralha da China, 220 a.C.-.

adrian wall

A Inglaterra conta com uma muralha, atravessando a ilha, próxima a fronteira com a Escócia. Foi construída por Adriano (76-138), imperador Romano, no século II. Sua intensão era proteger a fronteira de um império grande demais contra os povos “bárbaros”, pictos e escotos. O império recuou, os “barbaros” entraram e por sua vez, foram invadidos pela fé cristã de uma igreja romana para a qual não houve barreira. Muralha de Adriano, século II-.

berlin wall

Terminada a Segunda Guerra Mundial, URSS, EUA, Inglaterra e França dividiram a Alemanha derrotada em territórios controlados. Três territórios ocupados por forças capitalistas, um socialista. Resultado, 65 quilômetros de muro dividindo a capital alemã, famílias, amigos, pessoas mortas e uma festa quando a marreta o derrubou. Muro de Berlim, 1961-1989.

ghetto wall

Os judeus guardam duas histórias interessantes com os muros. Na primeira, estes serviram para isolá-los em guetos na alemanha nazista. Os guetos eram a materialização espacial de uma condição que não permitia a judeus ocupar cargos públicos ou casar com quem entendessem. Estes muros tiveram uma variante, as cercas dos campos de concentração, onde judeus não só eram isolados, mas também exterminados.

cisjordania wall

A segunda história coloca os judeus em um papel diferente da primeira. Em 2002 o governo de Isral começou a construção de um muro isolando a Cisjordânia, ocupada por muçulmanos. Por décadas seguidas a região é palco de guerras entre estes e os judeus. A obra ainda não está terminada, ao final terá 721 Km de extensão e terá roubado 10% do território da Cisjordânia para Israel. A construção, condenada pelo tribunal da ONU, prossegue. Murro da Cisjordânia, 2002-.

favela04

Começou o cercamento de favelas no Rio de Janeiro. Com o pretexto de preservar as matas da cidade o governo começou a construir muros em limites de favelas. A medida não afeta o crescimento de condomínios com terrenos caros, que da mesma forma ocupam territórios a ser preservados. Ao que parece, querem impedir o avanço de pessoas pobres sobre a natureza, ou sobre qualquer coisa.

favela01

O município do Rio de Janeiro possui défcit habitacional acima de 500.000 domicílios e crescimento demográfico de 1,3% ao ano. Temos uma das maiores desigualdades sociais do mundo, o que coloca parte considerável da população impossibilitada de ter acesso a terra por meio convencional, a compra. Buscamos uma solução para o problema construíndo muros, afinal, quem sabe assim as pessoas não param com a mania de morar em algum lugar.

favela02

Uma questão semântica. Segundo jornalista do jornal O Globo "o investimento será de 40 milhões de reais". Não sei quantas casas podem representar este dinheiro, que é nosso, nem foi isso o que mais me chamou atenção, a primeira vista. Rápidamente arruma-se desculpas técnicas, com discursos bem amarrados, baseados em sei lá o que, para justificar este gasto. Mas investimento? Como assim?

Vejo um mundo em que cidadãos, habitantes de áreas pobres, não derrubarão muros contruídos pelo Estado para impedir o seu avanço… Ops! Acho que dormi. Imagino o muro poupando dinheiro do cidadão, afinal, uma parede já está pronta, só faltam três para morar. Segundo os técnicos é de concreto, deve valorizar o imóvel.

favela03

No caso acima, podemos colocar fiscais armados (polícia, ou quem sabe o exército) que garantam o respeito a obra pública. A pressão sendo muita, resta a opção de diminuí-la reduzindo a população habitante de áreas irregulares com crescimento desordenado (favelas), alguns projetos do gênero foram aplicados eficasmente na Alemanha. Podemos contar com o aval da igreja de Adolf Hatzinger nesta iniciativa.

Alguém pensou em distribuição de renda???

Heil Cabral! Finalmente temos nosso muro.

Um comentário:

Bia Loivos. disse...

Não, ninguém pensou em distribuição de renda, em reforma agrária, em escolas públicas de qualidade, em nada disso. Estão ocupados demais propondo, entre outros absurdos, emendas constitucionais (absolutamente inconstitucionais) com o intuito de baixar a menoridade penal pra 16 anos, além de, é claro, construir muros e fazer "choques de ordem", recolhendo crianças pobres, mendigos e os "vagabundos" das ruas, para jogá-los em algum lugar, longe dos olhos dos cidadãos de bem, que acreditam não ter nada a ver com isso.