segunda-feira, 20 de abril de 2009

Divina Comédia




Inferno

Logo que chegou a porta do inferno, Dante deparou-se com enorme fila. Seu guia, Saramago, alertou-o que as filas são comuns no reino da infelicidade eterna. Esta primeira, era para marcar data em que deveria comparecer à repartição responsável por emitir documentação exigida pelos porteiros ifernais. O guia de nosso heroi explicou – Quatro são os documentos que deverás carregar por todo o tempo em que estiveres no inferno: primeiro deverás provar que chegastes a este mundo, com data, hora e o nome daqueles que te trouxeram, além, é claro, de testemunhas que comprovem a veracidade de tua chegada; segundo, terás que dizer a todos quem tu és, logo, te darão uma identidade em papel, com teu nome e um dos dedos, será seu primeiro número; terceiro, e logo depois, entrarás na fila para saberem que tu existes como devedor do Leviatã, pagador de todas as taxas impostas para garantir a continuidade de serviços deste inferno; por último, mas não menos importante, precisarás registrar tudo o que fizer como ofício, então tens de ter um documento para seus trabalhos, sem isto não sairás do limbo. Ainda será bom se portares papel dado pelos representantes de Deus, para que fique sempre claro que sabias por que leis seria julgado – Assim, tão obrigado quanto foi sua estada no inferno, Dante apresentou-se aos funcionários responsáveis e retirou a documentação nescessária. Tudo passou rápido, Dante entrava como convidado compulsório, não esperou em filas e foi diretamente atendido. Claramente, ver Dante passar a frente fazia parte do inferno de outros.

“Vai-se por mim à cidade dolente,

vai-se por mim a sempiterna dor,

vai-se por mim entre a perdida gente.

Moveu justiça o meu alto feitor,

fez-me a divina Potestade, mais

o supremo Saber e o primo Amor.

Antes de mim não foi criado mais

nada senão eterno, e eterna eu duro.

Deixai toda esperança, ó vós que entrais.”

Imagem de A Porta do Inferno, por Auguste Rodin, inspirada na obra de Dante. Inscrição neste mesmo portão, por Dante.

2 comentários:

Flor D'Alma disse...

Filas são mesmo coisa de Lúcifer. Dizem que, certo dia, o diabo virou-se para Deus e disse: "deixai-me testar vossos filhos, e vereis que eles não hesitarão em culpar-vos por tudo de ruim que os assola". Então, Lúcifer criou a burocracia.

Bruno disse...

Hahaha! Muito boa. Isso foi mais ou menos na época de criação do estado moderno?